sábado, 22 de junho de 2013

Milhares de manifestantes lotam centro da cidade de Rio Branco no Dia do Basta


22/06/2013 18:29
Milhares de manifestantes lotam centro da cidade de Rio Branco no Dia do Basta
Caras pintadas e cartazes multicoloridos dão o tom da manifestação. Outro detalhe da concentração é a organização dos grupos que vão chegando aos poucos e tomando as escadarias do palácio e da Assembléia Legislativa do Acre.
Da Redação da Agência ContilNet
O movimento do chamado dia do Basta tomou o centro de Rio Branco. As escadarias e a frente do palácio, bem como o hall de acesso a Assembléia Legislativa do Acre foi tomado por manifestantes. De acordo com os organizadores há cerca de 6 mil jovens neste momento na concentração do dia do Basta.

Um dos organizadores do evento usou o microfone há poucos minutos para informar que algumas linhas de  ônibus tirados de circulação para dificultar a chegada dos jovens. 


Muitas pessoas usam máscaras para protestar e ocultar a identidade
Muitas pessoas usam máscaras para protestar e ocultar a identidade
“ Tem gente ligando dizendo que não tem ônibus nas linhas, mas que eles virão a pé. Vamos vaiar este governo, gente”, pediu o organizador e foi prontamente atendido, uma vai generalizada foi entoada pelos presentes.

De acordo com a organização a marcha do dia basta só sairá de frente ao Palácio Rio Branco as 18 horas para que dê tempo de mais jovens chegarem.


Vale ressaltar que desde o inicio do dia circulava nas redes sociais a informação de que os serviço de ônibus seria suspenso, mas a informação foi negada pela assessora de imprensa da prefeitura de Rio Branco, Andreia Oliveira.

Caras pintadas e cartazes multicoloridos dão o tom da manifestação. Outro detalhe da concentração é  a organização dos grupos que vão chegando aos poucos e tomando as escadarias do palácio e da Assembléia Legislativa do Acre.


Redução na passagem de ônibus
Muitos adolescentes marcam presença no evento como é o caso de Carolina Sampaio, 16 anos, aluna do ensino médio do Cerb que na última hora da concentração terminava de pintar o próprio cartaz pedindo a redução da passagem de ônibus na Capital.
 
“Acho que é uma luta de todo mundo. Meus amigos vieram e meu irmão também. Tomara que dê certo”, diz.

A expectativa da organização é que milhares de pessoas participem do evento. Via redes sociais mais de 13 mil jovens haviam marcado presença. 


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Porto Acre Cultural inaugura nova sede com espaço para mídia livre


17/06/2013 17:42 - Atualizado em 17/06/2013 17:43
Porto Acre Cultural inaugura nova sede com espaço para mídia livre
Além da cultura digital, o Ponto de Cultura de Porto Acre também trabalhará com oficinas e cursos em outras áreas, para ampliar sua atuação a todo o município.
Rose Farias
Numa pequena casa em madeira, no Caquetá, antiga Escola Municipal Raimundo Gomes da Silva, quilômetro 14, o Ponto de Cultura Porto Acre Cultural inaugurou seu novo espaço, que recebeu cinco computadores para as oficinas de mídias livres. A comunidade do lugar foi prestigiar a reabertura, que contou com a presença de Francis Mary Alves de Lima, presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM), Josilene Nonata Feitora da Silva, presidente da Associação dos Produtores e Produtoras do PASNova Esperança e Circunvizinhos, entidade proponente do ponto de cultura, e Socorro Souza, coordenadora das ações do ponto, além de autoridades do município.

“Para nós aqui da comunidade, é uma felicidade muito grande. Sempre sonhamos com um lugar desse para que nossos jovens, crianças e idosos pudessem ter acesso a oficinas e cursos. Só temos a agradecer ao governo do Estado por esse projeto”, disse Josilene Nonata.


“Os pontos foram criados para preservar memórias e histórias, além de estimular ações voltadas para a cultura de raiz", disse a presidente da FEM/Foto: Assessoria FEM
“Os pontos foram criados para preservar memórias e histórias, além de estimular ações voltadas para a cultura de raiz", disse a presidente da FEM/Foto: Assessoria FEM
Francis Mary fez uma fala sobre os Pontos de Cultura como uma das principais ações do Programa Mais Cultura, proposto pelo Ministério da Cultura em parceria com os governos estaduais e municipais.

“Os pontos foram criados para preservar memórias e histórias, além de estimular ações voltadas para a cultura de raiz e para o fortalecimento das manifestações populares dentro dos seus territórios de origem. Temos quinze pontos de cultura no Acre que mostram a diversidade cultural e ambiental. Ver que o ponto Porto Acre Cultural estará funcionando na própria comunidade é muito gratificante. O nosso papel, tanto do governo estadual como municipal, é apenas de fomentar as ações, e o de vocês, de promover o fazer cultural”, disse.

Cada um dos pontos recebe um repasse em três parcelas de um pouco mais de R$ 60 mil por ano, totalizando R$183 mil para trabalharem durante três anos, período de vigência do convênio feito entre a entidade proponente e o governo Federal, via MinC, e o governo do Estado por meio da FEM. 

Crianças e jovens mergulhados no espaço digital

Jovens e crianças se debruçaram sobre os computadores. Entre eles, estava Rosa da Silva, 11 anos, moradora do ramal Esquecido, distante do local cerca de uma hora. Mesmo sendo seu primeiro contato com o equipamento, Rosa sabe muito bem como tirará proveito dele.

“Não sei mexer, mas aprendo rápido. Pra ler foi assim, aprendi no 'salto'. Vou pesquisar tudo, quero ver a biblioteca, os livros, porque sei que tem isso tudo ai. Vai ser bom pros meus estudos. Tô tão feliz que tá dando um frio na barriga”, disse a menina.

Enquanto uns se divertiam com os jogos,outros demonstravam um certo domínio com o programas gráficos, como Everty Frank da Silva, 13 anos.

“Sempre gostei de desenhar, agora vai ser bom demais. Também quero pesquisar coisas para aprender mais. Teve um dia que sonhei que entrava lá dentro do computador, era um sonho, né?”.

Além da cultura digital, o Ponto de Cultura de Porto Acre também trabalhará com oficinas e cursos em outras áreas, para ampliar sua atuação a todo o município. Segundo a coordenadora Socorro Souza, o ponto já tem no seu calendário: os cursos de semente, tecelagem e fibras, e ode biojoias.

“Nossa ação será em várias frentes,buscando também parcerias para atender toda a comunidade do nosso município. Agora mesmoo no dia 29 deste mês o estaremos realizando um arraial onde jovens ligados à cultura junina estão à frente. Essa é mais uma atividade do ponto.Agradecemos ao governo do Estado, por meio da FEM, pois assim conseguimos fomentar a cultura na nossa comunidade.”

Jovens e crianças de Porto Acre têm seus primeiros contatos com os computadores/Foto: Assessoria FEM
Jovens e crianças de Porto Acre têm seus primeiros contatos com os computadores/Foto: Assessoria FEM
Além da cultura digital, o Ponto de Cultura de Porto Acre também trabalhará com oficinas e cursos em outras áreas
Além da cultura digital, o Ponto de Cultura de Porto Acre também trabalhará com oficinas e cursos em outras áreas
Francis Mary fez uma fala sobre os Pontos de Cultura como uma das principais ações do Programa Mais Cultura, proposto pelo Ministério da Cultura em parceria com os governos estaduais e municipais.

“Os pontos foram criados para preservar memórias e histórias, além de estimular ações voltadas para a cultura de raiz e para o fortalecimento das manifestações populares dentro dos seus territórios de origem. Temos quinze pontos de cultura no Acre que mostram a diversidade cultural e ambiental. Ver que o ponto Porto Acre Cultural estará funcionando na própria comunidade é muito gratificante. O nosso papel, tanto do governo estadual como municipal, é apenas de fomentar as ações, e o de vocês, de promover o fazer cultural”, disse.

Cada um dos pontos recebe um repasse em três parcelas de um pouco mais de R$ 60 mil por ano, totalizando R$183 mil para trabalharem durante três anos, período de vigência do convênio feito entre a entidade proponente e o governo Federal, via MinC, e o governo do Estado por meio da FEM. 


sábado, 8 de junho de 2013

Padre cancela matrimônio em pleno altar. Você não vai acreditar o motivo!

Padre cancela matrimônio em pleno altar. Você não vai acreditar o motivo!

casamento Padre cancela matrimônio em pleno altar. Você não vai acreditar o motivo!
O sacerdote Avelino Dalcantara, deixou os noivos e todos os convidados numa igreja em Plácido de Castro, no interior do Acre, perplexos.
Ele se recusou a dar continuidade a uma cerimônia de casamento quando observou que o noivo estava visivelmente excitado no altar sagrado. O fato, mais do que absurdo, aconteceu na igreja da paróquia da Santíssima Trindade, sob o olhar curioso de 100 convidados.
O pior é que o noivo, Carlos Teixeira Coelho, de 19 anos, confirmou que estava realmente com a “barraca armada”. Ele justificou o delito dizendo que estava namorando a noiva há dois anos sem qualquer relação sexual. O seja, enquanto todos se emocionavam com a união, ele estava em contagem regressiva para a noite de núpcias.
Impassível, o padre declarou ao jornal local que era impossível não reparar o volume da excitação do jovem. “Ele não estava com a cabeça na celebração. Não posso dar a benção a um casal que ao invés de pensar na graça do Senhor fica imaginando a graça que vai fazer depois da celebração”, afirmou.
Bravo, o noivo repudiou a atitude do religioso: “se o padre estava olhando para minha neca deve ser porque ele gosta de tomar na caneca”, reclamou Carlos.
A noiva, Ana Paula Oliveira, de 18 anos, é cantora no ministério de louvor da paróquia não escondeu o constrangimento. “E muita tristeza. Passo uma vida toda cantando no casamento dos outros e no meu eu sou humilhada por causa de viadice”, afirmou entre lágrimas.
Como não dá para se queixar ao Bispo, os noivos dizem que vão às barras dos tribunais. Eles buscarão na justiça uma indenização por danos morais e também querem a compensação financeira de prejuízos com o casório desfeito.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

A FRUTA PROIBIDA PELA ANVISA EM PERNAMBUCO

Conheça a fruta proibida que está causando polêmica em Pernambuco
Fonte da imagem: Reprodução/G1Os moradores do estado de Pernambuco, mais precisamente de Recife, Olinda e regiões metropolitanas, estão com suas rotinas diárias sendo modificadas devido ao aparecimento de uma nova fruta com poderes quase milagrosos. O noni, como ela é chamada, é proveniente da árvore Morinda citrifolia e pode ser facilmente encontrado em feiras livres, mercados públicos e até em quintais dos residentes da cidade.
A fruta, originária do sudeste asiático, supostamente tem propriedades terapêuticas e é utilizada por pessoas que sofrem dos mais diversos males, desde casos sérios de diabetes até simples cefaleias (dores de cabeça). A forma mais consumida do produto é no formato de suco ou misturado com outras frutas. No entanto, a Morinda, que produzia o suco Tahitian Noni, fechou suas portas no começo de 2009, sob a justificativa de não conseguir cumprir as exigências do governo brasileiro.
O problema de verdade é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proíbe que quaisquer produtos que sejam à base de noni, bem como a comercialização da fruta ou de seus derivados dentro do território nacional. De acordo com o órgão do governo, apesar de ainda não serem conclusivas, pesquisas com o vegetal apontaram que a fruta pode causar danos ao fígado e também aos rins.

A voz do povo...

Mesmo com a Anvisa dizendo que as promessas de cura com base no consumo da fruta sejam “falaciosas”, os pernambucanos têm as mais diferentes histórias para comprovar que o noni funciona de verdade. A nutricionista e professora da faculdade Maurício de Nassau, Ana Lígia Lins, explica que a fruta terapêutica se encaixa na categoria de “alimento funcional”, que são aqueles que trazem benefícios superiores aos meramente nutricionais.
Fonte da imagem: Reprodução/G1Assim, as pessoas que consomem o noni não se cansam de enumerar a lista de benefícios proporcionados pela fruta. Prova dessa crença é que algumas pessoas já estão cultivando o noni em seus próprios quintais, como o radialista Geraldo Clemente, que começou a tomar o suco para tentar combater um câncer na próstata. De acordo com o consumidor, a melhora foi tão significativa que ele já não toma mais as medicações receitadas pelo seu urologista.
A procura pelo noni é tão grande que os mercados e feiras livres estão aproveitando para elevar o preço do produto. De acordo com a reportagem do G1, o quilo da fruta está sendo oferecido por R$ 15, e cada fruta pode ser adquirida em média por R$ 2. As vitaminas e os sucos são um pouco mais acessíveis, mas vale relembrar que a comercialização desses produtos é proibida pela Anvisa.
O que você acha? Você testaria a fruta para tentar se curar de alguma doença, mesmo indo contra a indicação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária?