terça-feira, 31 de agosto de 2010

João Correia e Flaviano denunciam prefeito que rejeitou R$ 1,7 milhão!

O recurso seria aplicado na pavimentação do Ramal dos Paulistas, um dos os oitos que integram a chamada Vila do V, distrito do município de Porto Acre

jao_correia
João Correia disse que atitude do prefeito traz prejuízos para a população (Foto: Assessoria)
"Uma atitude criminosa". Assim definiram os peemedebistas João Correia e Flaviano Melo, candidato ao Senado e a deputado federal respectivamente, o fato de o prefeito de Porto Acre, o petista José Maria, ter rejeitado R$ 1,7 milhão alocados por uma emenda no orçamento da União. O recurso seria aplicado na pavimentação do Ramal dos Paulistas, um dos os oitos que integram a chamada Vila do V, distrito do município de Porto Acre.

A denúncia, que será transformada em representação judicial, foi feita ontem (29) no clube do Jango, local onde aconteceu reunião com vários candidatos a deputados estaduais da coligação Liberdade e Produzir para Empregar. O local ficou pequeno para acomodar centenas de pessoas ávidas por mudanças políticas e administrativas no Estado.

Autor da emenda parlamentar rejeitada, Flaviano Melo se posicionou sobre a questão: "Quando eu destinei a emenda, jamais levei em consideração qual era o partido político que administrava o município. Para nós, do PMDB, isso é tradição. Quando eu soube desse lamentável episódio fiquei chocado, não tinha visto tamanha falta de grandeza política", relatou o deputado, demostrando uma profunda indignação.

Após a fala de Flaviano, um clima de revolta acometeu centenas de trabalhadores rurais presentes na reunião. Decididos a sair em comitiva para buscar explicações do prefeito, eles foram contidos pelos organizadores da reunião. "Ele (o prefeito) vai ter que se explicar. Esse asfalto iria beneficiar todo o pessoal do (Projeto de Assentamento) Tocantins", disse, aos prantos, o agricultor Raimundo Nonato Ferreira do Nascimento, morador da Invasão do Betão, uma comunidades por onde o asfalto passaria.  
Reforma agrária e propostas
O futuro senador da República, João Correia, participou ainda de uma reunião na Invasão do Betão. Acompanhado pela candidata a deputada estadual, Lorinha do V, Correia, um dos maiores formuladores sobre Política Agrária no Estado, expos suas propostas.
A agroindústria, na sua concepção, é um grande "filão" para o Acre voltar a produzir e desenvolver verdadeiros projetos de reforma agrária. "A nossa região pode se autodesenvolver, isto é, primeiro se produz no setor primário (agricultura), depois se industrializa os produtos e finalmente se aquece o mercado com o comércio e a exportação desses produtos. Isso é uma cadeia produtiva bem definida. Mas, veja bem, é preciso trazer as fábricas para os municípios, para que o desenvolvimento pode começar daqui para a capital", propôs.
Na sua avaliação, o atual governo, que já esta aí há 12 longos anos, abandonou o setor produtivo. "Além de não ter posse definitiva da terra, vocês não têm crédito rural, assistência técnica, sementes selecionadas, garantia do preço mínimo para a produção e, para piorar, até dinheiro para asfaltar os ramais o prefeito não quer receber, porque é uma emenda do deputado Flaviano Melo. É o descaso e a perseguição juntos", finalizou.
www.agazeta.net

Antonia Lúcia nega acusações sobre “farra” de combustível

Missionária diz ser vítima de uma campanha de difamação, para prejudicar sua candidatura.
Assessoria
Antonia Lúcia (centro) se diz vítima de uma campanha de difamação criada para desviar a atenção da Justiça Eleitoral (Foto: Cedida)
Antonia Lúcia (centro) se diz vítima de uma campanha de difamação criada para desviar a atenção da Justiça Eleitoral (Foto: Cedida)
– Tenho as mãos limpas. Jamais patrocinei abastecimento de carros e nunca emiti cheques sem fundos. As acusações são parte de uma onda de boatos que dominou o meio político do Estado – afirmou a candidata a Câmara Federal, Antonia Lúcia (PSC), na terça-feira, 31, ao se defender das acusações que circularam em vários órgãos de comunicação do Acre.

A missionária informou que nunca houve compra de combustível via requisição e que todas as negociações de combustível para os carros cadastrados para trabalhar na campanha sempre foram feitas via comitê financeiro do Partido Social Cristão (PSC), sendo que no último sábado, 28, estava retornando do interior e não sabia da movimentação, que segundo ela, seria uma forma de surpresa para recepcioná-la no aeroporto de Rio Branco.

Sempre falando em nome da comunidade evangélica, Antonia Lúcia se diz vítima de uma campanha de difamação criada para desviar a atenção da Justiça Eleitoral dos verdadeiros fraudadores do processo eleitoral, além de tentar prejudicar sua candidatura, que cresce em todos os municípios do Estado. – Meu trabalho no meio evangélico tem incomodado. Sempre trabalhei para propagar a palavra de Deus, assim como os apóstolos, estou pagando o preço por ser religiosa e seguir a palavra do criador – destaca.

O advogado do PSC, Paulo Henrique, foi enfático ao afirmar que não houve crime eleitoral, já que “para configurar o crime é preciso à comprovação do pedido de voto, acompanhado do benéfico, mas neste caso específico, a candidata não estava presente e o cheque que foi apreendido pela Polícia Federal no momento do abastecimento não era assinado pela candidata, mas pelo próprio comitê de campanha”.

Outro ponto que Antonia Lúcia fez questão de esclarecer foi sobre a suposta invasão do posto por ela. – Minha candidatura está transcorrendo dentro dos padrões estipulados pela Justiça Eleitoral. Na ocasião do tumulto no posto de combustível eu estava chegando do interior. Tudo que as pessoas que trabalham na campanha dos candidatos do PSC queriam era fazer uma recepção surpresa. As pessoas acreditam na minha eleição – afirmou.

Cheques sem fundos
Visivelmente abatida, Antonia Lúcia disse que compreende o momento político, que a exemplo do meio religioso, vive um momento de tribulação espiritual, um tipo de provação, que segundo a candidata, “todas as pessoas que servem a obra de Deus precisam passar para comprovar que merecem ser dignas das bênçãos divinas”.

A candidata desafiou a qualquer pessoa, que possua um cheque sem fundos dado por ela, que venha a público. – Trabalho sempre pensando na coletividade. Quero chegar ao coração de cada pessoa de bem do nosso Acre e tranqüilizar sobra os boatos. Jamais emiti um cheque sem fundos. Desafio a pessoa que tenha um documento deste tipo vir a público. Sou uma pessoa honrada, sempre cumpro com meus compromissos – finalizou.

Paulo Henrique, advogado do PSC, disse que todas as medidas legais e pedidos de reparação já foram encaminhados no sentido de levar direito de respostas da candidata, para esclarecer toda situação perante a opinião pública.
fonte: www.contilnet.com.br

domingo, 29 de agosto de 2010

Curiosidades sobre o Pão!

Você sabia?!

• Os primeiros pães surgiram há cerca de 12 mil anos na Pérsia. Eles eram uma mistura de vários tipos de grãos, moídos e água, cozida sobre pedras quentes. Era seco e duro, mas muito nutritivo.
Nas mãos dos egípcios, no novo Império (de 1567 a 1085 antes de Cristo), a panificação recebeu seu grande impulso. Havia mais de 40 variedades de pães. Eles criaram o processo de fermentação, que deixou o pão mais macio e saboroso. Os egípcios perceberam que a massa, umedecida, depois de certo tempo, liberava alguns gases, tornando o pão mais poroso. Aos poucos, o pão chegou ao Império Romano. Começaram a aparecer escolas de padeiro, profissão surgida por volta do ano 50.

• Em 1869, os turcos otomanos se preparavam para invadir Viena, na Áustria. Planejavam atingir o centro da cidade à noite, cavando galerias subterrâneas. Os padeiros vienenses, que começavam seu trabalho durante a madrugada, deram o alarme. O exército local conseguiu evitar a invasão. Aí o imperador da Áustria pediu que os padeiros fizessem um pão que tornasse o feito inesquecível. Assim nasceu o croissant, representando a lua crescente do estandarte otomano.

• De origem judaica, o pão bagel, que passa por cozimento antes de ser assado, faz muito sucesso nos Estados Unidos e chegou há pouco tempo ao Brasil. Foi inventado em 1683, em Viena, por um padeiro judeu, em agradecimento ao rei da Polônia, Jacek Sobieski Terceiro. Foi uma homenagem à vitória sobre os invasores turcos de Kara-Mustapha, que cercavam Viena. O padeiro criou um pão na forma de estribo ou anel (bugel, em alemão), pois o soberano adorava cavalgar. O bagel logo ganhou popularidade na Polônia. Inicialmente era oferecido às mulheres que davam à luz. Depois, aos seus bebês, quando entravam na fase de dentição. A popularidade do bagel chegou à Rússia, com o nome de bubliki. A moda aportou nos Estados Unidos na virada do século 20, juntamente com os imigrantes judeus da Europa Oriental.

• O pão de queijo, famosa iguaria mineira, foi criado no século 18, para ser servida nas mesas dos senhores, ao lado dos biscoitos de polvilho. A tradicional receita leva leite, ovos, queijo-de-minas curado e ralado e o polvilho (a parte nobre da mandioca).


• A torrada teria sido inventada pelo padeiro Charles Heudebert, em 1903. Engenhoso tanto quanto parcimonioso, o senhor Heudebert se recusava a deixar o pão endurecer caso não tivesse sido vendido. Ele resolveu então cortá-lo em fatias e grelhá-lo. A receita lhe pareceu boa, do ponto de vista comercial, e de fato era. Não demorou muito tempo para que nascesse a indústria da torrada. Mas a torrada familiar existia, naturalmente, há muito tempo: a palavra, aliás, já tinha cem anos.

• O setor de panificação no Brasil emprega 580 mil pessoas, que trabalham em cerca de 52 mil empresas da área.

• As padarias comercializam 85% do pão vendido no Brasil.

• Nas regiões Leste e Sul do país, o consumo per capita de pão é de 35 quilos por ano. No Nordeste, esse número cai para 10 quilos. A média é de 27 quilos anuais por pessoa, pouco se comparado aos 60 quilos recomendados pela Organização Mundial da Saúde.

• No Chile são consumidos 93 quilos de pão, por pessoa, por ano. Na Alemanha 87, na Itália 60, na França 56, no Uruguai 51, em Portugal 70, no Peru 32 e na Espanha 67.

• O pãozinho de padaria tem vários nomes: bengala, broa, brotinho, cacetinho, careca, carioquinha, filão, filãozinho, francês, bisnaga.

• E, Por que quando fica velho o pão endurece e a bolacha velha amolece? Porque o pão perde a água de sua massa e a bolacha absorve a umidade do ar.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Quadrilha de assaltantes vem aterrorizando população da zona rural de Porto Acre

Qui, 26 de Agosto de 2010 11:09
Uma quadrilha de assaltantes tem colocando em pânico as comunidades das vilas de Porto Acre, do V e do Incra, distante 29 quilômetros de Rio Branco.
No município, existe apenas uma viatura da Polícia Militar para patrulhar os mais de mil quilômetros nos diversos ramais do interior e na cidade. Os bandidos agem livremente ameaçando as famílias e dominando ainda o tráfico de drogas na região.
Além do terror praticado pela quadrilha nas fazendas e pequenas propriedades, os bandidos assaltaram a agência dos correios na última terça-feira, 24, levando todo dinheiro do caixa além de cartões de créditos.
Os vereadores já solicitaram do comando geral da PMAC na capital, apoio para desarticular o bando, contudo, nada foi feito até o momento e os fazendeiros ameaçam se reunir e agir por conta própria.
Por telefone, a reportagem de ac24horas conseguiu falar com o sub-comandante da PMAC, coronel Paulo César. Ele disse já estar a par da situação e “amanhã (27), mesmo estaremos encaminhando um efetivo de mais cinco homens e uma viatura que ficarão de forma permanente para garantir a segurança daquela comunidade”, afirmou.
Salomão Matos, da redação ac24horas

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Zé Maria pode se complicar se não explicar destinação de recursos

Zé Maria pode se complicar se não explicar destinação de recursos

Qui, 05 de Agosto de 2010 21:53
O Partido dos Trabalhadores no Acre sempre se orgulhou de ter a sua bandeira voltada para a boa administração, prezando sempre pelo bom uso dos recursos públicos nas áreas da saúde, segurança, pagamento em dia dos fornecedores e principalmente dos servidores.
Pois é, o PT vive seu inferno astral com a administração desastrosa do prefeito petista do município de Porto Acre, (distante 54 quilômetros da capital), que tem à frente o "companheiro" Zé Maria (PT)
Segundo denuncias os servidores do município estão com salários atrasados há pelo menos três meses. Os convênios celebrados com os fornecedores de combustível não estão sendo pagos, [o que inviabiliza o transporte escolar e até mesmo o funcionamento das ambulâncias]. No setor da saúde não há sequer uma cibalena para dor de cabeça.
Essas denúncias e outras reivindicações foram tema da pauta na última sessão dia 03, na câmara de vereadores. Até os parlamentares da base de sustentação do prefeito, exigiram que Zé Maria explique para onde estão indo os recursos do Fundo de Participação do Municípios- FPM e as contra-partidas dos recursos enviados pelo governo do Estado.
Uma ata convocatória dos vereadores de Porto Acre, deu um ultimato ao prefeito Zé Maria, para que na próxima segunda, dia 09, ele seja sabatinado e esclareça os desmandos que ocorrem naquela cidade. Segundo os vereadores, se Zé Maria não convencer, deve enfrentar uma CPI que poderá ser proposta na mesma sessão.

O ac24horas tentou falar durante todo o dia de ontem com o prefeito Zé Maria, mas fomos informados de que o mesmo não se encontrava na cidade.

Salomão Matos, da redação ac24horas